Nova Tendência? Papel de Parede Externo

-

Sabemos que o papel de parede é 100% personalizável à qualquer ambiente – até agora internos – e até em banheiros (veja aqui). Mas eis que, perambulando pela internet, me deparo com imagens de casas revestidas com papel de parede do lado de fora, e me pergunto: Por que não? Sim, no início pode parecer estranho, e não pra menos, inusitado e ousado.

A criatividade e ousadia partem da criação da linha de papéis de parede para uso externo, da marca italiana Wall&Decò.

Igualmente àqueles que revestem o banheiro, os papéis de parede externo são específicos e possuem material adequado, já que estando do lado de fora da casa, o revestimento fica exposto a eventos naturais (chuva, sol, vento), exigindo assim todo um cuidado.

A ideia ainda é nova, mas se você é moderno e gosta de estar atualizado (e não tem medo de ousar) no que se diz de decoração, torça para que essa moda pegue e chegue por aqui, mas mas enquanto isso não acontece, aprecie e inspire-se nas imagens.

wallpaper_outdoors_04wallpaper_outdoors_01wallpaper_outdoors_07wallpaper_outdoors_05wallpaper_outdoors_08 wallpaper_outdoors_10

 

Imagens: Casa Vogue
Anúncios

MILÃO SE PREPARA PARA GANHAR ‘TORRES-FLORESTA’

* Matéria publicada em Casa Vogue # 318

Em meio a edifícios urbanos, uma verdadeira floresta vertical, com centenas de árvores e milhares de arbustos. A ideia, que à primeira vista pode parecer utópica, está ganhando corpo em Milão, onde estão em construção as torres propostas pelo arquiteto italiano Stefano Boeri e por seus colegas Gianandrea Barreca e Giovanni La Varra, do escritório Boeri Studio.

Com 80 e 112 metros de altura, os dois edifícios habitacionais hospedarão 480 árvores de médio e grande porte (de 6 a 9 metros de altura), 250 árvores de pequenas dimensões, 11 mil espécies de forrações e 5 mil arbustos. Toda essa vegetação corresponde a 10 mil m² de floresta. A concretização do projeto exigiu dois anos de desenvolvimento, um trabalho conjunto entre arquitetos, engenheiros e botânicos.

Para que se tenha em mente sua complexidade, basta pensar que um apartamento no 20º andar poderá ter, em seu jardim, um carvalho de 9 metros de altura.

O incremento da biodiversidade pela criação de um ecossistema com diversos tipos de vegetação é, para Stefano Boeri, a principal virtude da proposta. “Este é um projeto-manifesto que pretende dar voz a uma visão menos antropocêntrica da realidade urbana em favor de uma maior biodiversidade e interação entre as espécies”, defende o arquiteto, acadêmico, ex-diretor da revista Domus e hoje à frente da revista Abitare.

Mas a “pele verde” dos edifícios promete diversas outras vantagens: protege da radiação solar, funciona como barreira contra a poluição acústica, filtra a poeira e restabelece a umidade do ar ao seu redor. O projeto se propõe, ainda, como um grande “outdoor ecológico”, segundo Boeri, “oferecendo um panorama mutante ao olhar da metrópole”. A seleção das espécies utilizadas foi feita conforme sua altura e posição nas fachadas, para que a aparência das torres se transforme ciclicamente, de acordo com as estações do ano.

A conclusão da obra está prevista para 2013. Enquanto isso, as plantas que serão inseridas nos edifícios estão sendo pré-cultivadas em viveiros, para que se adaptem às condições de que irão dispor quando estiverem implantadas. Espera-se que o projeto inspire o surgimento de novas “florestas verticais” mundo afora. (WINNIE BASTIAN)

* Matéria publicada em Casa Vogue # 318

* Matéria publicada em Casa Vogue # 318